"Poderíamos aqui meditar sobre como seria saudável também para a nossa sociedade atual se num dia as famílias permanecessem juntas, tornassem o lar como casa e como realização da comunhão no repouso de Deus" (Papa Bento XVI, Citação do livro Jesus de Nazaré, Trad. José Jacinto Ferreira de Farias, SCJ, São Paulo: Ed. Planeta, 2007, p. 106)

quinta-feira, 2 de março de 2017

Convite para o II Congresso de Casais OCDS

2º CONGRESSO DE CASAIS OCDS



Queridos Casais,

PAZ E ALEGRIA! 



Já estamos com nossas inscrições abertas para o 2º Congresso de Casais, além dos nossos irmãos e irmãs de Ordem, também podem participar todos que se identificam com o carisma carmelitano e queiram conhecer melhor o Carmelo Secular.


Programação do Congresso de Casais OCDS


1º dia (21/07)
16h – Acolhida
17:30h – Missa
18:30h – Jantar
19:30h – Abertura com Fr. Cleber
20:00h – Completas e Adoração ao Santíssimo (1h)

2º dia (22/07)
07:00h – Missa com Laudes
08:00h – Café
09:00h – Palestra: O Castelo Interior na vida matrimonial – Luciano e Ruth
10:00h – Cafezinho
10:30h – Entrando no Castelo a dois – Deserto do casal
11:40h – Avisos
12:00h – Almoço
14:00h – Palestra: Educar os filhos para o céu – João e Izabel
15:00 – Cafezinho
15:30h – Palestra: Meios de comunicação e família – Fábio  e Juliana
16:30h – Cafezinho
17:00h – Momento Mariano – Consagração pessoal do casal a N. Senhora e oração do santo terço meditado para as famílias
20:00h – Jantar especial com os casais fora do Centro Teresiano – Local a definir.

3º dia (23/07)
07:00h – Missa com Laudes
08:00h – Café
09:00h – Palestra: Vivendo a  Conjugalidade no matrimônio – Fr. Cleber
10:00h – Cafezinho
10:30 – Avaliação e partilha
11:30h – Palavra do presidente e encerramento
12:00h - Almoço


PARTICIPEM E DIVULGUEM!




 Informações e dúvidas: E-mail:comissaodecasaisocds@gmail.com
 Telefone: (14) 98151-4456 (Whatsapp) - Juliana

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O AMOR E A ENTREGA




Um dos conceitos que mais me preocupam hoje é o conceito de amor. O amor hoje é identificado como um sentimento.

E os sentimentos podem desaparecer, como todos nós sabemos. Se o amor, se um casamento, estão apoiados num sentimento, passam a ser extremamente vulneráveis, sujeitos a desaparecer em qualquer momento.

Imaginem, então, a insegurança que as pessoas vivem!!! É como viver com a espada de Dâmocles sobre a cabeça, pois o amor de alguém por nós pode acabar a qualquer momento.

Mas, graças a Deus, o amor não é só um sentimento. O sentimento para o amor verdadeiro é uma consequência e não a sua essência. A essência do amor verdadeiro é a entrega. Expliquemos melhor.

O amor é uma escolha; a escolha de uma pessoa que eu decido amá-la. Vamos supor um rapaz que está namorando uma menina e depois de um tempo de namoro vê nesta menina a sua esposa, aquela que será a mãe dos seus filhos. E é ciente das suas qualidades e defeitos. Pois bem, vendo-a assim, decide se casar com ela, a pede em casamento e se casa com ela.

É lógico que ao longo da sua caminhada podem aparecer moças mais virtuosas do que a sua esposa, moças mais belas, mas a partir do momento que decidiu se casar com ela, ela é o seu foco, ela é o seu amor. E qual será a sua ação ao amá-la? Entregar-se a ela. E nessa entrega acontecerá um fenômeno que acontece toda vez que nos entregamos: quanto mais eu me entrego, mais eu amo.

A entrega, no fundo, é o amor. A entrega aumenta o amor e o amor aumenta o desejo de entrega. É um círculo virtuoso. Não é verdade, por exemplo, que se eu tenho um sobrinho, quanto mais eu me entregar a ele, mais eu vou amá-lo? Pois bem, a entrega é a essência do amor. E quando o amor cresce, é natural que o sentimento também cresça, se bem que há momentos em que não sentimos nada, apesar de amarmos.

Saber que o amor é entrega nos dá um grande alívio. Ou seja, o amor não está ao sabor do vento, das circunstâncias. Mas de algo muito mais sólido que é a entrega minha por alguém e do outro por mim. Eu, por exemplo, quando tinha 26 anos decidi ser sacerdote e me entregar a Deus. É lógico que meu sentimento por Deus já passou por fases de escuridão e de luz. Mas eu não abandonei a Deus porque estava passando por um momento de escuridão. Eu decidi me entregar e Deus e estou perseverando nesta entrega depois de 25 anos. Eu sei que este é o meu caminho. E sei também que quanto mais eu me entrego a Deus, mais eu o amo. Sei, portanto, que meu amor está muito mais nas minhas mãos, do que nas mãos de Deus, pois depende muito da minha entrega. E como tudo na vida, se não luto, pode cair na rotina. Mas se cai na rotina, a culpa é minha que não estou encontrando novas formas de me entregar, novas belezas em Deus. Eu luto, por exemplo, diariamente para celebrar melhor a missa. E o quanto mais eu luto, mais eu descubro a beleza da Santa Missa e mais eu a amo e consequentemente a Deus.

Como todo ser humano, também, tenho tentações no caminho que sigo. Sempre vão aparecer miragens “tentadoras” para eu largar o meu caminho. Mas isso acontece na vida de todos. Mas eu sei qual é o caminho que Deus quer para mim e, consequentemente, o caminho que me fará feliz. Sei que a felicidade não está nestas miragens. Vocês também têm a mesma experiência. Sabem o caminho que Deus quer que vocês sigam e que ali está a felicidade apesar de todas as tentações que possam surgir.

Amar é, portanto, uma entrega que se renova livremente a cada dia. Amar é seguir um caminho que Deus mostrou para nós. 

Sabendo que o amor é entrega, que se alimenta da entrega, façamos o propósito de entregar-nos cada vez mais a quem amamos. E ajudemos também a quem decidiu se entregar por nós que não deixe de se entregar. Se bem que a nossa própria entrega, amorosa, gratuita, sempre será um estímulo para a entrega da pessoa amada. E que a partir de agora quando ouvirmos alguém dizer que “o amor acabou”, ajudemos esta pessoa a refletir se seu amor não estava baseado mais no sentimento, pois, de fato, o sentimento pode passar, mas não o amor verdadeiro.


Padre Paulo M. Ramalho
falar.paulo@gmail.com
ww.fecomvirtudes.com.br
https://www.facebook.com/FeComVirtudes?ref=hl
http://instagram.com/fecomvirtudes
*********************************************
Padre Paulo M. Ramalho - Sacerdote ordenado em 1993. Cursou o ensino médio no colégio Dante Alighieri. Engenheiro Civil formado pela Escola Politécnica da USP; doutor em Filosofia pela Pontificia Università della Santa Croce. Atende direção espiritual na igreja Divino Salvador, Vila Olímpia, em São Paulo.